Projeto Ágora

Ágora (do grego, “assembleia”, “lugar de reunião”) é um termo que se dava às praças públicas na Grécia Antiga. Neste local ocorriam reuniões onde os gregos, principalmente os atenienses, discutiam assuntos ligados à vida da cidade (polis). A ágora parece ter sido uma parte essencial da constituição dos primeiros estados gregos. Normalmente era um espaço livre com edificações, onde os cidadãos costumavam ir, configuradas pela presença de mercados e feiras livres em seus limites, assim como por edifícios de caráter público. Enquanto elemento de constituição do espaço urbano, a ágora manifesta-se como a expressão máxima da esfera pública na urbanística grega, sendo o espaço público por excelência, da cultura e a política da vida social dos gregos. Estava normalmente rodeada pelos edifícios privados e públicos mais importantes.
Projeto de extensão da UFSC, a Ágora: um espaço de arte e convivência é a colaboração entre os cursos de Arquitetura e Urbanismo e Artes Cênicas, com o objetivo comum de transformar um espaço residual (resultante de demolições e novas construções no campus) universitário em um lugar de fomento à arte, cultura, expressão e trocas rotineiras entre alunos, professores e a comunidade de Florianópolis. Idealizado enquanto um potencial centro congregador de discussões, manifestações artísticas e cívicas, a Ágora traz em pauta a discussão sobre os espaços públicos enquanto pontos fundamentais no planejamento da universidade e da cidade. Assim, ela se mostra como um contraponto à lógica vigente da constante criação dos “cheios” urbanos e do consequente inchaço e saturação das nossas cidades, lugares que cada vez menos trazem a esfera pública e de estímulo criativo à concepção dos espaços.
Como desafio a pensar um espaço que atualmente só atrai depósitos de lixo, queimadas e outras atividades que o estabelecem cada vez mais enquanto resíduo na trama de espaços da universidade e da cidade, a oportunidade de se pensar uma praça aberta à dinâmica corriqueira da UFSC e de possíveis eventos de cunho comunitário traz uma nova visão a esse lugar. A ideia é trazer um espaço em constante construção e reinvenção, estimulante aos alunos, grupos e coletivos a modificá-lo conforme as suas vontades e ideias, diferentemente das estruturas fixas e inflexíveis dos prédios da universidade.

Equipe

Professores responsáveis: 
Prof. Américo Ishida – coordenador do projeto (ARQ/CTC)
Prof. Fábio Ferreira Lins Mosaner (ARQ/CTC)
Prof. Luiz Fernando Pereira (ART/CCE)

Equipe de estudantes:
Gabriel Guaraciaba Calvoso Maia (ART/CCE)
Gabriel de Moraes Lunardi (ARQ/CTC)
Guilherme Hey (ARQ/CTC)
Paula Pivatto (ART/CCE)
Natalia Baltensberger (ARQ/CTC)

Início do projeto: 2018
Fim do Projeto: 2019