Concurso “C-re-aid Earth Architecture Competition: A School for Tanzania”

     

O concurso foi promovido pela ONG C-re-aid, que desenvolve desde 2012 em território africano uma parceria com as comunidades e instituições locais para o enfrentamento de problemáticas, tendo como prática a elaboração conjunta de projetos que visem qualificar o território e promover o desenvolvimento social e humanitário na região, promovendo o emprego de técnicas aliadas à sustentabilidade. 

O concurso, que ocorreu no ano de 2019, teve a participação de um grupo de estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina e recebeu a premiação de segundo lugar, representando o Brasil entre os projetos vencedores.

Sobre o projeto:

A escola desenvolve-se a partir de um corredor central que trabalha com as diferenças de nível do terreno, onde revela muitos ambientes distintos, permitindo às crianças desenvolverem-se de forma criativa e se identificarem com o lugar. O programa está dividido em blocos, com salas de aula e serviços que se conectam a este corredor central, de forma a promover a integração física e visual entre todos os ambientes. 

A materialidade da construção surge como um forte partido, em que a lógica modular e a utilização dos blocos de terra comprimida (BTC) como principal elemento estrutural, facilita a construção, desenvolvendo uma proposta de projeto mais sustentável e coerente para o orçamento limitado.

O desenho da escola, desta forma, consiste em três módulos completos, que constituem as salas de aula, e dois meios módulos, que constituem os blocos de serviços. A proposta de distribuição intercalada dos blocos contribui para a independência da comunidade, devido à possibilidade de realizar a construção em etapas. A estrutura principal está apoiada em uma laje de concreto e é composta por pilares de BTC em formato de “C”, travados por uma viga de concreto. A cobertura é sustentada pelas paredes estruturais de terra e por pilares de madeira, que delimitam o corredor central do projeto. 

Os fechamentos compõem uma linguagem mais leve: um brise de bambu cobre a estrutura do telhado evitando a incidência solar direta, um forro de palha reveste as salas, melhorando o aspecto acústico e visual, e as janelas de madeira em forma de veneziana, quando fechadas, protegem da radiação solar direta e, quando abertas, atuam como um brise horizontal.

Os telhados foram projetados para proteger a escola do sol do meio-dia, e ao mesmo tempo permitir a entrada do sol da manhã pelas aberturas zenitais no lado leste do conjunto. Além disso, direcionam a água das chuvas que incidem sobre os blocos de salas de aula para os jardins laterais e a água dos blocos de serviços para as calhas, permitindo a captação de água para reutilização em atividades como irrigação do jardim e limpeza da escola.

Projetos Premiados:

https://www.c-re-aid.org/earth-architecture-competition

Publicação no ArchDaily:

https://www.archdaily.com.br/br/959355/estudantes-brasileiros-sao-premiados-em-concurso-para-uma-escola-primaria-na-tanzania

Equipe de professores: 

Prof. Ricardo Socas Wiese

Prof. Carlos Eduardo Verzola Vaz

Equipe de estudantes:

Ana Luisa Schoenell

João Victor Ortiz

Julia Stopasolla Copat

Mariana Brüggemann Spricigo Pfleger

Início e fim do projeto: 2019